/ Área do assinante /

ASSINE AGORA

Cidades

Natal, 16 de Setembro de 2013 | Atualizado às 20:25

Você está em Cidades

Definida a empresa que tocará a obra

Obra custará R$ 1,79 milhão aos cofres municipais e será executada pela BMB Construções LTDA; prazo de conclusão é de até 180 dias

07:29 04 de Junho de 2013

Redação
DO NOVO JORNAL

As primeiras intervenções no Viaduto do Baldo, interditado há quase oito meses, devem ser iniciadas ainda nesta semana. É com essa expectativa que a Secretaria Municipal de Obras Públicas e Infraestrutura trabalha, informou o titular adjunto de Operações, Caio Múcio Pascal, garantindo que as interdições previstas para as Avenidas Rio Branco e Deodoro da Fonseca serão parciais.

“Dificilmente precisaremos interditar todo o trânsito. E, se for preciso, acho mais difícil ainda que seja por muito tempo”, informou Pascal. Ontem ele participou da abertura dos envelopes com as propostas de três empresas que se apresentaram para fazer, em regime de urgência, os reparos de que precisam o viaduto e o canal do Baldo. Por R$ 1,79 milhão, a BMB Construções LTDA vai tocar os projetos, que têm prazo de conclusão previsto para até 180 dias. As duas tentativas anteriores de licitar as obras não prosperaram.

Os reparos no pontilhão que protege o canal do Baldo, sob o viaduto, deverá ser feito por faixa de rodovia, evitando assim que o fluxo de trânsito seja completamente comprometido. Segundo explicou Pascal, essa alternativa, a mais considerada, deverá ser adotada tanto para a Rio Branco, de mão única, quanto para a Deodoro da Fonseca, de fluxo e contra-fluxo. No caso dessa última, o trânsito será reordenado quando as obras forem iniciadas.

Como a data para o início das intervenções ainda não está acertada, o natalense ainda não precisa se preocupar com as mudanças no trânsito. Pascal explicou que hoje será dada publicidade oficial à escolha da empresa. Se tudo der certo, ainda nesta terça-feira, o contrato será assinado. “Aí assim podemos quinta ou sexta-feira assinar a ordem de serviço”, explicou o secretário adjunto de Operações. De todo modo, a Semopi preferiu ainda ontem informar a empresa vencedora para que ela já vá se preparando e evite atrasos.

A outra etapa da recuperação no equipamento interditado há oito meses é no próprio viaduto. Pascal esclareceu que a estrutura cedeu 11 centímetros e que deverá ser iniciada uma operação que permita substituir as ferragens da estrutura. Para tanto, o viaduto receberá um suporte externo - técnica conhecida por “escorar” - que o sustentará enquanto as obras forem realizadas.

A escolha de uma empresa para realizar os reparos no Viaduto do Baldo se estende, desde que deflagrado o processo, há mais de um mês.

Duas semanas atrás, em face da licitação deserta ocorrida em meados de maio, a Secretaria de Obras solicitou ao Sindicato da Indústria da Construção Civil no Rio Grande do Norte (Sinduscon) a indicação de empresas interessadas no serviço.

Até o fim da semana passada, permanecia o impasse. A prefeitura de Natal não tinha até quinta-feira uma definição sobre a empresa que irá executar as obras de restauração do túnel de drenagem e do viaduto do Baldo. Com apenas uma proposta apresentada até a noite de quarta-feira passada, a Semopi decidiu ampliar o prazo até o fim da semana, quando, além da BMB Construções, se apresentaram a Vecon LTDA e a Azevedo e Coelho Construções.

Nesse meio tempo, a reportagem do NOVO JORNAL relatou o temor de alguns comerciantes cujas atividades estão vinculadas ao trânsito que passa sob o viaduto. Eles reclamavam de eventuais prejuízos por conta da interdição completa do local, o que parece não se concretizar. Ao todo, circulam entre as duas avenidas sob o viaduto 22 linhas de ônibus coletivos. Os ônibus atendem a todas as regiões da cidade.

COMENTÁRIOS

COMENTAR

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade